quarta-feira, novembro 09, 2005

Olhe que não...

Caros Carlos Furtado e João Maria Porto,

A JP, que é tanto JC como o PP é CDS, nada tem que ver com a extrema-direita. Já basta ter de ouvir essas confusões da nossa extrema-esquerda, que lendo a no vosso blog fico cada vez mais com vontade de que seja eleito um partido de extrema direita para o Parlamento para nos podermos separar na práctica desses epítetos.
Quanto a Cavaco, o que a JP decidiu é que não havia candidato que representasse os seus valores, e já agora os do partido. Se o partido decidiu apoiar o "mal menor" a JP entendeu que não queria apoiar um candidato por exclusão de partes. Se ninguém do espaço político do partido decidiu (ou decidir) avançar, tanto pior, não se apoia nenhum candidato.
Já agora, não é hábito da JP berrar mais que o CDS, ou daquilo o que é esperado numa campanha de rua ou num comício, mas nunca fará uma campanha "provávelmente" aos berros, porque "provávelmente" não existe, provavelmente esqueceu-se de retirar o acento. Se houver meios faremos uma campanha que explica porque é que nenhum candidato nos representa.

Micha

terça-feira, outubro 11, 2005

Brrr....

Um bocadinho sinistro, quando esta gente fica contente com o que se passou...

Tarde mas só agora dei com isto

Micha

p.s. Eu sei que abandonei isto, mas não tenho podido, desculpem...

sexta-feira, julho 22, 2005

Programa das Festas

Quem me quiser ver logo à noite, vou estar na multidão de 'groopies' que apluadirá "Os Azeitonas" queapresentam o seu CD no Via Rápida, a partir das 00:00.

Aparecei, gente!

Micha

quarta-feira, julho 20, 2005

Porque a memória não pode esquecer

Faz hoje 61 anos que falhou o mais proeminente atentado a Hitler. Engendrado por Claus Graf von Stauffenberg (que o executou, aliás), pelo General Ludwig Beck (ex-chefe de gabinete do Führer) e Carl Friedrich Goerdeler (ex-Burgomestre de Leipzig) o plano Walküre acabaria por falhar devido a uma mesa demasiado maciça.

O plano consistia em matar Hitler e, aproveitando a confusão gerada, culpar altos membros do partido bem como das restantes organizações do estado Nazi (GeStaPo, SS, SD e a Wehrmacht) aproveitando o pretexto para passar o executivo para as forças de reserva do exército, que os conspiradores dominavam. Stauffenberg aproveitou o acesso que tinha às reuniões de estado-maior para o plano em marcha a 20 de Julho de 1944 (o plano havia sido adiado por 2 vezes). O 'Graf' (qualquer coisa como conde) tinha sido ferido no Norte de África e já só tinha 3 dedos numa mão, pelo que necessitava dum alicate especial para armar a bomba que pretendia plantar junto do ditador. Tragicamente a reunião foi adiantada e apenas restou tempo para armar um dos dois detonadores. Além do mais, devido ao calor a reunião tomou lugar numa barraca exterior e não no Buker, o que atenuaria o efeito da explosão. Por fim (porque é que nestas histórias um mal nunca vem só?) a perna da mesa junta à qual a bomba foi depositada teria atenuado ainda mais o efeito da explosão. Resultado: 4 mortos, e Hitler sem mais que uns arranhões.
Stauffenberg, no entanto, ficara convencido do sucesso e arrancou Walküre pelas 15:00 (mais de duas horas após o atentado). O plano morre com um discurso do Führer por volta das 22:30.
Os cabecilhas seriam executados pelas 00:15.
As famílias dos conspiradores foram internadas em campos de concentração, e havia de planos de dar as crianças a famílias 'leais'. Até ao fim da guerra passariam a viver num lar, sobre nomes diferentes.

Para que a memória não se esqueça, importa assinalar. Estes homens, como os da "Weisse Rose" (lembras-te Diogo?) seriam a prova que na Alemanha havia oposição ao regime.


Micha

segunda-feira, julho 18, 2005

De volta! (?)

Ora vivam caros leitores, caros amigos!

Já lá vão uns dias sem que tenha dado notícias, e penitencio-me por isso! De facto não tenho tido tempo para nada (já não vinha á faculdade há uma semana): os exames tomavam-me tempo em demasia. Nem por isso correram da melhor forma, mas enfim. O tal trabalho, que referi no anterior post, para vencer as eleições aqui na FEUP clamou o seu tributo... Ainda bem que deu frutos! Assim espero voltar à luta antes de ir de (merecidas?) férias daqui a um mês pouco.
Outro trabalho que deu frutos foi o d 'Os Azeitonas' a primeira boys band de garagem portuguesa, senão do mundo! O seu disco saiu hoje, e recoendo-o a todos que tenham huor e disposição de ouvir esta belíssima sátira à nossas boys bands e música pimba em geral. Disponível perto de si: "Um Tanto Ao Quanto Atarantado" Minha gente, é comprar...

Micha

quinta-feira, junho 02, 2005

Foram tempos difíceis, estes...
Em menos de um mês montámos uma lista para concorrer contra a lista "do aparelho", a que lá estava, e ganhámos... Perdemos a 1ª volta por 250 votos (ficámos em 2os.), mas houve 2ª volta porque nenhuma das três concorrentes teve maioria absoluta. Fomos com muita vontade de virar um resultado impossível de ganhar, e... cá estamos: a Lista Z foi eleita para a Direcção da AEFEUP por 16 votos em 2323 (safa!)

Origado a todos!

Micha

terça-feira, abril 26, 2005

Riso...

Tenho "aquele" pressentimento...

... que vem uma chuva de críticas ao João Almeida. Não quero acusar o colega de Lisboa de nada, mas tenho esse não-sei-quê dentro de mim, que mo diz...
Apesar de não me parecer que tenha feito nada de mal, até queria perceber o porquê de tanta gente o achar, por isso aguardo desenvolvimentos...

...num blog perto de mim...


Micha

Conclave sem chave...

...cheguei domingo à noite de Lisboa, e cheguei estafado. Entre as 11 da manhã de sexta-feira e as onze da noite de domingo dormi menos de 10 horas.
Ainda assim não perdi a boa disposição e o espírito desperto.
Acho que não havia melhor oportunidade para primeiro congresso. E apesar do "meu"* candidato não ter ganho, voltei à Invicta com uma enorme satisfação de ter estado presente num congresso tão plural, em que muito se disse, muito se trabalhou, e em que delineou o futuro do partido, pelo menos até às próximas "directas".

E, apesar de ter ido eleito na lista oposta à que eu teria votado, os meus sinceros parabéns ao Henrique Pinheiro Machado, fundador do NEPUP, que é desde domingo conselheiro nacional do partido.

Micha

*apesar de apenas ter ido na condição de convidado, logo não ter tido voto na matéria

CDS: E não havia chava, os congressistas entravam e saiam conforme entendiam. Fumo só mesmo cá fora. Excepção para a COnstança Cunha e Sá, que fumava alegremente dentro da sala, sem que se preocupasse em sequer arranjar um cinzeiro...

terça-feira, abril 19, 2005

Não é que até apareceste no jornal?
Devo dizer que a foto te faz justiça, caro amigo: és feio todos os dias, talvez o prémio possa dar uma ajudinha... :p
Parabéns!


Micha

segunda-feira, abril 18, 2005

Portugal quer um PSD forte! Queria, mas não vai ter.

João

Actualidades

Está disponível aqui a moção que a Juventude Popular vai apresentar ao Congresso do Partido no próximo fim-de-semana.

Ontem, em reunião decorrida em Coimbra, os delegados decidiram que a moção será levada a eleições, pois ela representa um rumo para o futuro do CDS-PP delineado por aqueles que vão fazer esse mesmo futuro.

Historicamente, a JP retira as suas moções à última hora, com intuíto de evitar interferir na luta pela liderança do partido, mas ao mesmo tempo levar temas que são importantes à Juventude para o debate. No entanto, este será um Congresso diferente. Há apenas um candidato, que (sejamos transparentes) está derrotado à partida. Procuram-se outras soluções, mas todos os "candidatos a candidatos" consideram que o que é mais importante é a definição do rumo para o Partido e não tanto quem lidera a equipa.

João

Alguns artigos nos jornais: aqui, aqui e aqui.

terça-feira, abril 12, 2005

Zapatero garante apoio de Espanha à candidatura de Guterres ao ACNUR

Chama-se a isto, tráfico de influências, suponho... Pagará impostos?


Micha


CDS: Não terá o Zapatero um pingo de vergonha? Apoiar um orfão de cargo como o Guterres à primeira coisa que lhe aparece?

sexta-feira, abril 08, 2005

A questão da questão...

Consta que a questão a referendar quanto ao aborto vai ter a mesma redacção que a anterior: «Concorda que deixe de constituir crime o aborto realizado nas primeiras dez semanas de gravidez, com o consentimento da mulher, em estabelecimento legal de saúde?»

Convém debater o tema desde já, visto ser um tema fracturante, um tema importante com discussões, por vezes, desesperantes.

Algumas questões:

Se a mulher não fizer o aborto em estabelecimento legal de saúde, isso continua a ser crime, com julgamentos das pseudo-enfermeiras que enriquecem à custa da miséria das outras (é que isto de legalizar é muito bonito, mas nada garante que as mulheres passem a ir aos hospitais só porque passa a ser legal)?

Posto isto impõe se uma outra pergunta: se assim for a esquerda continuará a sitiar os tribunais para contestar que a lei é crime, e dizer que quem manda na sua barriga é a mulher? Ou deixa de se ir manifestar, porque agora as mulheres têm a escolha, e só vai à curiosa quem quer, e quem vai sujeita-se, e quem se sujeita e é apanhado vai a tribunal e é julgado e condenado porque devia ter ido ao hospital. Bem, calma aí, se houver a aprovação duma nova lei, a esquerda deixa de se manifestar por mulheres que são julgadas por abortar, por uma questão de higiene? Ou passa a agradar-lhe a lei, e por isso as mulheres (esse ser demasiado sensível para entrar num tribunal) podem ir a tribunal por quebrarem esse mesma lei? (Sim, para a esquerda há leis boas e leis más; resumem-se às que se devem cumprir, dum lado, e às que se devem evitar cumprir, do outro) Mas então não percebo porque se manifestam hoje, quando as mulheres estão a fazer algo que põe em perigo a sua vida e a da criança, e esse comportamento é punido em qualquer sociedade (sim, em qualquer sociedade civilizada o suicídio ou comportamento suicida é perseguido porque atenta contra a vida humana). A minha ideia sobre esta questão? O aborto em estabelecimento legal de saúde põe em perigo o nascimento da criança. O demais aborto, acrescenta o perigo à vida da mãe (que já nasceu).

Seguindo: Se o "sim" ganhar, pode-se referendar a questão de novo em 2012 (=2005+ (2005-1998))? É isto que o PS diz, ao passar a matéria em referendo. Diz que é competência dos cidadãos decidir, e diz que de sete em sete anos (pelo menos) há espaço para o fazer. Agora digam isto ao Dr. Louçã, ou
demais Anacletos. "Não", dirão, "O "sim" será uma evolução, e não um retrocesso, se ganhar o sim, nunca se poderá voltar atrás, porque a sociedade evolui para a frente! (?)" Eu acho sinceramente que o aborto não deve ser liberalizado. E acho que não é matéria referendável, como não é a pena de morte, por exemplo. Mas ao passar-se a questão para o povo através do (novo) referendo, tem que se aceitar que o povo se volte a manifestar, seja qual for o resultado hoje. Assim entramos (novamente) na questão da validade temporal da decisão do povo, e na questão (que, curiosamente, ninguém aborda) da suposta superioridade moral duma decisão (a do SIM face à outra, a do NÃO). Se de facto é isto que pensam os senhores, e estou convencido que sim, então que passem a lei na AR. Não faz sentido levar a questão a referendo se não estão prontos a lidar com as consequências.


Mais uma questão: Porque raio para abortar se deve apenas ter o consentimento da mãe? A mulher tem uma posição privilegiada, quanto à concepção da vida. É assim por natureza, e é por isso as mães têm relações muito fortes com os filhos, desde que a criança é gerada. E é certo que para fazer nascer uma criança é preciso uma mulher que durante nove meses (quase necessariamente) mude de vida, e que sofra (quase necessariamente) ao dar à luz. Mas ao requerer apenas o consentimento da mãe para poder matar a criança no ventre, além de se lhe retirar o direito à vida, está-se a impedir o pai do direito a ser pai. Ou não? Se a mãe entender que não quer ter a criança (não percebo porque é que não tomou providências antes; os centros de saúde facultam as "ferramentas" de forma gratuita e desburocratizada - e ainda bem!), ao menos devia se permitir ao pai ter a oportunidade de criar e ver crescer um filhos seu.*

Bem, não sei porque escrevi este post, mas hoje acordei algo inspirado... De qualquer das formas nem devia estar a escrever: eu não tenho filhos. Mas tenho duas sobrinhas. Lindas.


Tio Micha

*Sim, as coisas por vezes correm mal. Mas o que nos faz humanos é justamente como reagimos face a dificuldades. A nossa vida está cheia de imprevistos e de situações que não conseguimos, por mais que queiramos, evitar. Aprender a lidar com estas situações e não fugir ao mínimo entrave ao nosso plano de vida, só nos faz crescer, e acaba por nos definir como humanos.

Acordes de fim-de-semana (4)

Dire straits - Romeo and Juliet


A lovestruck romeo sings the streets a serenade
Laying everybody low with a lovesong that he made
Finds a streetlight steps out of the shade
Says something like you and me babe how about it?

Juliet says hey it's romeo you nearly gave me a heart attack
He's underneath the window she's singing hey la my boyfriend's back
You shoudn't come around here singing up at people like that
Anyway what you gonna do about it?

Juliet the dice were loaded from the start
And I bet and you exploded in my heart
And I forget I forget the movie song
When you gonna realize it was just that the time was wrong juliet?

Come up on different streets they both were streets of shame
Both dirty both mean yes and the dream was just the same
And I dream your dream for you and now your dream is real
How can you look at me as I was just another one of your deals?

Well you can fall for chains of silver you can fall for chains of gold
You can fall for pretty strangers and the promises they hold
You promised me everything you promised me thick and thin
Now you just say oh romeo yeah you know I used to have a scene with him

Juliet when we made love you used to cry
You said I love you like the stars above I'll love you till I die
There's a place for us you know the movie song
When you gonna realize it was just that the time was wrong?

I can't do the talk like the talk on the tv
And I can't do a love song like the way its meant to be
I can't do everything but I'd do anything for you
Can't do anything except be in love with you

And all I do is miss you and the way we used to be
All I do is keep the beat the bad company
All I do is kiss you through the bars of Orion
Julie I'd do the stars with you any time

Juliet when we made love you used to cry
You said I love you like the stars above Ill love you till I die
There's a place for us you know the movie song
When you gonna realize it was just that the time was wrong?

A lovestruck romeo sings the streets a serenade
Laying everybody low with a lovesong that he made
Finds a convenient streetlight steps out of the shade
Says something like you and me babe how about it?


Micha

segunda-feira, abril 04, 2005

Voltado de férias...

Sim, estive de férias :p
E não me importei que chovesse, porque a chuva só faz bem ao país, e eu sou mesmo assim: ponho os interesses do país acima dos meus :D

Morreu o papa. A todos os que acreditam, os meus sentimentos.


Micha

sexta-feira, março 18, 2005


Elis Regina (17 de Março de 1945 - 19 de Março de 1982) Posted by Hello

Acordes de início do fim (-de-semana) (3)

Porque ontem fez 60 anos que nasceu, e amanha faz 23 anos que morreu Elis Regina:

Retrato Em Branco E Preto
A.C. Jobim/C. Buarque


Já conheço os passos dessa estrada
Sei que não vai dar em nada
Seus segredos sei de cor
Já conheço as pedras do caminho
E sei também que ali, sozinho,
Eu vou ficar, tanto pior
O que é que eu faço contra o encanto
Desse amor que eu nego tanto, evito tanto
E que no entanto volta sempre a enfeitiçar
Com seus mesmos tristes velhos fatos
Que num álbum de retratos eu teimo em colecionar

Lá vou eu de novo como um tolo
Procurar o desconsolo
Que eu cansei de conhecer
Nossos dias tristes, noites claras
Versos, cartas, minha cara, ainda volto a lhe escrever
Pra lhe dizer que isto é pecado
Eu trago o peito tão marcado
De lembranças do passado e você sabe a razão
Vou colecionar mais um soneto
Outro retrato em branco e preto
A maltratar meu coração



Micha

Proporções

Acerca de proporções, convém relembrar quem por altura das europeias dizia que era injusto que o PSD tivesse perdido representação enquanto que o CDS a mantinha. Alguns até culpavam o CDS pelo resultado da coligação "Força Portugal".
À luz das recentes eleições legislativas (e fazendo um exercício meramente matemático), podemos fazer algumas contas (contando sempre mandatos):
O PS subiu, sabemo-lo bem, de 95 para 120 mandatos, o que dá um factor de crescimento de 1.26(safa!). Já o PSD teve uma derrocada: de 102 para 72 deputados, num "crescimento" de 0.71 (que é um crescimento negativo, obviamente). Por fim o CDS desceu de 14 para 12 deputados, o que dá um factor de 0.86. (Façam as contas: dividam o número de mandatos obtidos nestas eleições pelos obtidos nas anteriores, e voilá - um factor superior a 1 corresponde a uma subida, e um factor abaixo de um a uma descida.

Peguemos agora nos resultados das europeias:
O PSD tinha 9 deputados europeus em 1999, o CDS 2. Em 2004 a coligação "Força Portugal" elegeu 9 deputados no total: 7 para o PSD, 2 para o CDS.
Tomando o resultado das legislativas como barómetro do sentimento dos portugueses (eu sei, Santana ainda não estava no poder, por isso não há comparação possível, e se achar, legitimamente, isto, deixe de ler este post), façamos as contas:

Nove deputados europeus do PSD em 1999 vezes 0.71 dá 6.35
Os dois do CDS vezes 0.86 dá 1.71.

Bem, afinal o PSD estava mais próximo de apenas levar 6 deputados para Bruxelas, e o CDS dos dois que de facto obteve.


Fica a ideia...


Micha

CDS: Outra curiosidade: o JSD passa de 15 deputados para 0, a JP (pelo menos para já) de 1 para 1... Estes já não voltam...

terça-feira, março 15, 2005

não me parece...





You Are a Pundit Blogger!



Your blog is smart, insightful, and always a quality read.
Truly appreciated by many, surpassed by only a few
.



Sinceramente? Não me parece; mas eu respondi em consciência às perguntas. «Smart, insightful, and always a quality read» ainda vá, agora «Truly appreciated by many, surpassed by only a few»... não mesmo...
Conclusão: testes online não serão para levar muito a sério... pelo menos este.

Micha

sexta-feira, março 11, 2005

Acordes de início do fim (-de-semana) (2)

País Do Gelo
Carlos Tê / Rui Veloso


Lá vai a nau catrineta que tem tudo por contar
Ouvi só mais uma história que vos vai fazer pasmar
Eram mil e doze a bordo nas contas do escrivão
Sem contar os galináceos sete patos e um cão

Era lista mui sortida de fidalgos passageiros
Desde mulheres de má vida a padres e mesteireiros
Iam todos tão airosos com seus farneis e merendas
Mais parecia um piquenique do que a carreira das indias

Ao passarem cabo verde o mar deu em encrespar
Logo viram ao que vinham quando a nau deu em bailar
Veio a cresta do equador e o cabo da boa esperança
Onde o velho adamastor subiu o ritmo da dança

Foi tamanha a danação foi puxado o bailarico
Quem sanfonava a canção era a mão do mafarrico
Tinha morrido o piloto e em febre o capitão ardia
Encantada pela corrente para sul a nau se perdia

Subia a conta dos dias ficavam podres os dentes
Eram tantas as sangrias morriam da cura os doentes
E o cheiro era tão mau e a fé tão vacilante
Parecia que a pobre nau era o inferno de dante

Com o leme sem governo e a derrota já perdida
Fizeram auto de fé com as mulheres de má vida
E foram tirando à sorte quem havia de morrer
Para que o vizinho do lado tivesse o que comer

No céu três meninas loiras cantavam um cantochão
Todas vestidas de tule para levar o capitão
No meio do seu delírio mostrou a raça de bravo
Teve ainda força na língua para as mandar ao diabo

Neste martírio sem fim ficou o lenho a boiar
Até que um vento gelado a terra firme o fez varar
Que diria o escrivão se pudesse escrevinhar
Eram mil e doze a bordo e doze haviam de chegar

Ao grande país do gelo com mil cristais a brilhar
Onde a paz era tão branca só se quiseram deitar
Naqueles lençois de linho a plumas acolchoados
E lá dormiram para sempre como meninos cansados




Micha